SÉRIE: APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA E A MULTIPLICAR SEU DINHEIRO: INVESTIMENTOS EM CDB

 

Quem tem conta em banco, provavelmente já ouviu falar sobre os Investimentos em CDB, o Certificado de Depósito Bancário.

Acontece que poucos sabem exatamente o que é e como funciona o CDB.

Neste artigo da série: Aprenda a investir em renda fixa e a multiplicar seu dinheiro você vai entender tudo sobre os investimentos em CDB:

Primeiramente para entender o que é o CDB e como ele funciona, vamos analisar o porquê deste “Depósito Bancário”.

Vamos lá?

 

CDB: O PORQUÊ DO “DEPÓSITO BANCÁRIO”?

Depósito Bancário?

 

Quanto dinheiro você tem em sua conta corrente hoje?

Aquele dinheiro que fica lá parado, sabe? Pode ser que sobrou do salário, pode ser que você recebeu, mas ainda não pagou as contas…

Independentemente do quanto você tem (e se tem ou não), se é pouco ou muito, você já imaginou o montante de dinheiro que fica parado nas contas correntes de um banco?

Inegavelmente é um montante muito grande!

Acontece que de todas as pessoas que depositam ou recebem depósitos em conta corrente boa parte delas não sacam tudo de uma só vez.

Tanto dinheiro parado em conta corrente, é o que de certa forma contribuiu para a criação do CDB.

Da percepção dos bancários ao notarem que seus clientes depositantes não sacavam o dinheiro todo de uma só vez, é que surgiu a visão financeira de utilizar este dinheiro.

O CDB foi regulamentado em 4 de Julho de 1965 pela Lei Nº 4.728, mas somente a partir do Decreto Lei Nº 14, de 29 de julho de 1966 é que os bancos puderam iniciar a emissão desses títulos.

A partir de então, ao invés dos valores depositados ficarem parados em conta (depósitos à vista), os correntistas podem emprestar estes valores para os bancos (depósitos a prazo).

Quando os correntistas emprestam o dinheiro para o banco, o banco emite um Certificado de DEPÓSITO BANCÁRIO.

Não um certificado de papel físico! Hoje isso não acontece mais! A emissão é apenas virtual, um registro digital.

Portanto, o CDB é uma espécie de DEPÓSITO BANCÁRIO a prazo.

Não aquele que fica lá parado na conta corrente! Mas um depósito em que o banco pode utilizar o dinheiro.

Vamos entender melhor isso sabendo o que é o CDB e porque os bancos emitem esses títulos.

 

O QUE É O CDB?

 

Títulos PrivadosOs CDBs são os títulos privados mais conhecidos pelos investidores, os bancos emitem os CDBs para captar recursos financeiros para financiar suas atividades de crédito.

Na prática, quando você investe em CDBs você está emprestando dinheiro para o banco emprestar para alguém.

O banco pega seu dinheiro e empresta para outra pessoa ou empresa através de produtos como o CDC (Crédito Direto ao Consumidor), limite de cheque especial e capital de giro.

Nesta transação o banco paga os juros combinados para você, e recebe os juros combinados de quem emprestou.

Essa é uma das formas que os bancos ganham dinheiro, você sabia?

A remuneração do banco se dá pela diferença entre os juros que ele cobra de quem emprestou o dinheiro, e os juros que ele paga para você.

Na prática o banco não empresta dinheiro, neste caso quem empresta é você! ele apenas é um intermediador.

A emissão dos Certificados de Depósito Bancário é semelhante à emissão de outros títulos de renda fixa:

  • Quando os bancos precisam de dinheiro para financiar suas atividades, eles emitem os CDBs, as LCIs (Letras de crédito Imobiliário) e as LCAs (Letras de crédito Agropecuário);
  • Quando as empresas precisam de dinheiro elas emitem as Debêntures;
  • Quando as financeiras precisam de dinheiro elas emitem as LCs (Letras de Câmbio);
  • Quando o governo precisa de dinheiro ele emite os Títulos Públicos.

 

QUAL É O RENDIMENTO DO CDB?

Rentabilidade dos CDBs

 

Existem basicamente três tipos de CDBs:

  • CDB-Prefixado
  • CDB-Pós fixado
  • CDB-Indexado à Inflação

 

CDB PREFIXADO

 

Quando você investe em um CDB prefixado, no momento da aplicação você fica sabendo o quanto vai receber de juros, e qual será o valor a ser resgatado no vencimento do título.

Por exemplo:

Você recebe uma proposta do banco para investir em um CDB prefixado pelo prazo de 1 ano, e nesta aplicação o banco irá lhe pagar uma taxa de 9% ao ano.

Se você investir R$ 10.000,00 neste título, ao final do prazo acordado você receberá de volta R$ 10.900,00 (valor bruto, mais a frente você verá o quanto de tributo você irá pagar).

Esta categoria de títulos é mais indicada para momentos em que a tendência da taxa básica de juros da economia (Taxa Selic) é de queda.

Quando você investe em um CDB prefixado, você “fixa” o rendimento que irá receber, você fixa uma determinada taxa de rendimento.

Se a taxa básica de juros cair, as taxas ofertadas para os investimentos em CDB também irão cair, investindo antes desta queda, você garante a taxa de rendimento maior.

 

CDB PÓS-FIXADO

 

Os investimentos em CDB pós-fixado são os mais comuns desta modalidade.

Quando você investe em CDBs pós-fixados você não sabe qual será a rentabilidade final do investimento, você não terá uma taxa fixa de 9%, por exemplo, como no CDB prefixado.

Ao invés disso, a rentabilidade estará atrelada a uma taxa de referência.

Em geral essa taxa é definida por um percentual da Taxa CDI (também chamada de taxa DI).

 

CDI – Certificados de Depósito Interbancário são títulos parecidos com os CDBs, porém só são negociados entre bancos. Quando um banco precisa de dinheiro para suprir suas necessidades de caixa ele pega emprestado de outro banco, assim ele emite um CDI para captar este dinheiro no Mercado interbancário. A Taxa CDI é calculada pela CETIP .

 

O valor dos juros e o valor a ser resgatado deste título serão conhecidos somente na data de vencimento, pois dependerá de quanto vai estar a taxa CDI no dia do resgate do título.

Por exemplo:

Você optou por investir R$ 10.000,00 em um CDB pós-fixado, e o banco vai lhe pagar uma taxa de 100% do CDI.

Supomos que na data do vencimento do título o CDI seja de 14,15% a.a (você pode consultar qual o percentual da Taxa CDI aqui):

 

Primeiro você calcula qual será a taxa que vai receber de rendimento:

100% do CDI = 14,15 x 100% = 14,15% a.a.

Depois é só multiplicar o valor investido pela taxa:

R$ 10.000,00 x 14,15% = R$ 11.415,00

 

Sendo assim, você receberá no vencimento do título R$ 11.415,00 (valor bruto! vamos ver mais adiante quanto você vai pagar de imposto).

Os investimentos em CDBs pós-fixados são mais indicados quando os juros estão em tendência de alta.

Se houver uma alta nas taxas de juros, a rentabilidade do CDB também será maior.

Quando o Banco Central, através do COPOM aumenta ou diminui a Taxa Selic, a Taxa CDI também segue o mesmo movimento para mais ou para menos.

O valor da Taxa CDI está sempre muito próximo do valor da taxa básica de juros da economia (SELIC).

 

CDB Pós-Fixado

 

No exemplo acima a taxa de rentabilidade do CDB é de 14,15%a.a, porém, se o COPOM resolver baixar ou subir a taxa SELIC, a rentabilidade do CDB irá acompanhar esse movimento.

 

CDB-INDEXADO À INFLAÇÃO

 

Esta é uma modalidade de investimento em CDB pouco comum e menos utilizada.

A rentabilidade dos CDBs indexados à inflação também pode ser chamada de rentabilidade mista ou híbrida, isto porque é uma mistura de uma taxa fixa + a variação da inflação.

Por exemplo:

CDB que paga a variação do IPCA + 5%a.a.

Neste caso já é sabido que haverá uma rentabilidade de 5%a.a, uma taxa fixa.

Porém, a rentabilidade total só será revelada no vencimento do título, quando então será possível saber qual foi a variação do IPCA do período.

Este tipo de investimento pode ser interessante para quem quer uma rentabilidade acima da inflação.

Isso porque independentemente da Inflação haverá um ganho real através da taxa fixa (no caso acima 5%a.a).

As características dos CDBs atrelados à inflação são semelhantes às dos Títulos Públicos Tesouro IPCA+.

 

PRAZO E LIQUIDEZ PARA APLICAÇÃO EM CDB

Prazo e liquidez dos CDBs

 

Não existe prazo mínimo para investimentos em CDB, os prazos são negociados e definidos com o banco emissor do título, e podem variar de banco para banco.

As condições de liquidez dos CDBs são definidas pelo banco emissor do título e vão variar de banco para banco.

Alguns CDBs oferecem liquidez diária, permitindo que você faça resgates em um dia útil, outros possuem prazo de carência para resgate e após o prazo de carência passam a ter liquidez diária.

Existem também os CDBs com vencimentos específicos que só permitem o resgate do título na data do vencimento.

Neste último caso é aconselhável manter o título até o vencimento, pois qualquer antecipação de resgate pode ter custos elevados e prejudicar os rendimentos.

 

QUAIS OS RISCOS DE SE INVESTIR EM CDB?

Riscos ao Investir em CDB

 

O risco de um CDB é se o banco emissor do título quebrar e não conseguir honrar com o compromisso.

Porém, para segurança do cliente investidor, vale salientar que a aplicação em CDB é garantida pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) em até R$ 250 mil por instituição e por CPF.

Isso significa que se o banco quebrar o fundo irá devolver seu dinheiro garantindo o capital mais os juros até a data da falência do banco, no limite de R$ 250.000,00.

Se você dividir suas aplicações em vários bancos, com valores inferiores a R$ 250.000,00 por instituição você estará garantido pelo FGC.

Você pode acompanhar a atualização sobre limites de garantias do FGC aqui, e verificar quais as instituições participam do FGC aqui.

 

QUAIS SÃO OS CUSTOS E COMO O CDB É TRIBUTADO?

Custos e Tributação dos CDBs

 

Nenhuma taxa é cobrada por uma aplicação em CDB.

Quanto aos impostos, incidem sobre os rendimentos do CDB o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e o IR (Imposto de renda).

O IOF só será cobrado quando o resgate da aplicação for inferior a 30 dias.

O percentual a ser cobrado segue uma tabela regressiva que vai de 99% para 1 dia, até 0% para 30 dias, veja a tabela:

 

Número de dias IOF (em %) Número de dias IOF (em %) Número de dias IOF (em %)
01 96 11 63 21 30
02 93 12 60 22 26
03 90 13 56 23 23
04 86 14 53 24 20
05 83 15 50 25 16
06 80 16 46 26 13
07 76 17 43 27 10
08 73 18 40 28 06
09 70 19 36 29 03
10 66 20 33 30 00

 

Sobre os rendimentos dos CDBs também incidirá o Imposto de Renda, a alíquota a ser cobrada também vai depender do tempo de aplicação do título.

Quanto mais tempo o dinheiro permanecer aplicado, menos IR será pago, veja as alíquotas escalonadas:

  • Rendimentos até 180 dias – 22,5%;
  • Rendimentos até 360 dias – 20%;
  • Rendimentos até 720 dias – 17,5%;
  • Rendimentos após 720 dias – 15%.

 

COMO MELHORAR A RENTABILIDADE DOS INVESTIMENTOS EM CDB?

Como melhorar a rentabilidade do CDB

 

É certo que todos queremos obter os melhores rendimentos não é mesmo?

Quanto mais nos educamos sobre o dinheiro, mais temos condições de melhorar nossas escolhas financeiras.

Quando falamos de investimentos, também não é diferente.

Apesar de se tratar de um dos investimentos mais conhecidos pelos investidores, muitos não se dão conta das possibilidades de maximizar a rentabilidade dos CDBs.

Isso ocorre muitas vezes por desconhecimento, ou até por confiar os investimentos ao gerente do banco (que na maioria das vezes não oferece as melhores opções de investimentos para você).

Fique atento! Ninguém vai cuidar melhor do seu dinheiro do que você mesmo, leia sobre isso aqui.

Até aqui você já compreendeu como funciona o CDB, agora vai descobrir como melhorar a rentabilidade dos seus investimentos em CDB.

 

DICAS DE COMO MAXIMIZAR SUA RENTABILIDADE NOS INVESTIMENTOS EM CDB

 

  • Busque CDBs de bancos menores, geralmente esses bancos oferecem taxas maiores que os grandes bancos. (Investindo menos de R$ 250.000,00 por instituição você pode garantir uma rentabilidade maior com baixo risco);
  • Não se prenda ao seu banco, busque outras alternativas. Você não precisa ter conta em vários bancos, você pode investir em vários bancos através de uma corretora.
  • Se você pretende investir com o seu gerente, apesar das taxas de CDBs serem predefinidas sempre há margem para negociação, principalmente se forem valores relativamente maiores.
  • Quanto maior o prazo do investimento maior será sua rentabilidade, portanto se planeje para não precisar sacar o dinheiro. CDBs com prazos maiores e diferenciados poderão aumentar sua rentabilidade.

 

No próximo artigo da SÉRIE APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA E MULTIPLICAR SEU DINHEIRO vou lhe mostrar tudo sobre as LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito Agrícola).

 

Quer receber mais informações sobre Investimentos? Inscreva-se GRATUITAMENTE no Guia das Finanças e seja o primeiro a receber atualizações.direita


 

Espero que este artigo tenha sido relevante para você, se tiver alguma dúvida deixe seu comentário logo abaixo!

Ótimos investimentos em CDB para você! 🙂

Sucesso e até o próximo artigo!

 


Você também pode gostar disso: