Você gostaria que seus filhos se transformassem em adultos bem-sucedidos financeiramente, que tivessem dinheiro suficiente para garantir segurança e independência financeira, e que fossem capazes de viver uma vida mais feliz, tranquila e equilibrada?

Tenho certeza que sim…

Filho, o dinheiro é bom ou mau? – Perguntei um dia ao meu filho de 7 anos (na época).

Para minha surpresa, recebi uma resposta simples e direta: “Papai, vai depender do que a gente faz com ele”.

Claro que fiquei feliz com o que ouvi, afinal, diante de tantas dificuldades em educar os filhos, nada mais gratificante do que ver que o esforço vale a pena.

O dinheiro faz parte de nossas vidas.

Desenvolver a inteligência financeira desde cedo é fundamental para que os filhos se tornem adultos capazes de fazerem boas escolhas, de priorizarem o que realmente é importante, de superarem desafios financeiros e de tomarem decisões financeiras mais conscientes durante a vida.

O melhor investimento que podemos fazer para nossos filhos é a educação, não há dúvidas!

Mas é importante que essa educação não esteja limitada apenas ao ensino convencional.

A educação financeira também deve ter seu espaço, e deve ser ensinada para as crianças desde cedo.

Comumente os pais se preocupam com a escolha da melhor escola, dos melhores cursinhos para alcançarem as melhores universidades, cursos de línguas, esportes etc.

Acontece que a educação financeira é sempre deixada de lado.

Claro que na maioria dos casos são pais que também não foram educados financeiramente, porque seus pais também não foram.

Quando muito, vemos pais ensinando os filhos a guardarem dinheiro, poupando cada centavo sem um objetivo certo.

Com isso, formam adultos preocupados apenas em acumular dinheiro e incapazes de levar uma vida feliz e equilibrada.

Infelizmente muitos pais não dão conta da importância da educação financeira na vida dos filhos.

Então, ao longo dos anos, boas escolas e boas universidades formam ótimos profissionais, nas mais diversas áreas: Engenheiros, Contadores, Médicos, Farmacêuticos, Advogados etc.

Profissionais comprometidos e muito respeitados no que fazem, mas pouco preparados financeiramente.

O que estou dizendo é bem fácil de perceber, me responda a seguinte pergunta:

Em que nível de escolaridade você aprendeu a cuidar do seu dinheiro, a lidar melhor com suas escolhas financeiras, a consumir com consciência, a controlar seus impulsos consumistas, a investir bem suas economias e a controlar as contas para gastar menos do que ganha?

Mesmo que você possua nível superior, a menos que você tenha feito um curso voltado exclusivamente para esta área, muito provavelmente você nunca ouviu falar sobre esse assunto em sala de aula.

Se você é, ou pretende ser, pai ou mãe, pense nisso!

Busque também ensinar educação financeira para as crianças, eduque financeiramente seus filhos o mais cedo possível.

Faça com que eles participem das rotinas financeiras da casa e da elaboração do orçamento doméstico, assim, o hábito de se planejar financeiramente irá aos poucos fazer parte da vida deles.

Para ajudar você nesta tarefa, aqui vão algumas dicas para que você comece a desenvolver uma mentalidade financeira mais rica em seus filhos.

DE ONDE VEM O DINHEIRO?

De onde vem o dinheiro

 

É preciso ensinar aos filhos desde pequenos sobre a origem do dinheiro.

Para muitas crianças o dinheiro é algo que simplesmente existe e está lá, disponível a qualquer momento.

Quando estamos fazendo compras no supermercado, por exemplo, o que as crianças veem é que o dinheiro brota da carteira ou que um simples cartão de plástico quando passado em uma maquininha, paga a conta.

As crianças devem saber que o dinheiro é um meio de troca e que para consegui-lo é necessário esforço, tempo, dedicação e conhecimento.

Devem saber que o dinheiro pode vir:

  • Do salário (que é a troca das horas de trabalho por dinheiro);
  • De um negócio próprio (uma loja, por exemplo);
  • Do trabalho autônomo (Engenheiros, médicos, advogados);
  • Dos investimentos (juros, casa de aluguel, dividendos etc.)

Enfim, que o dinheiro não é algo que simplesmente nasce no banco ou na carteira dos pais.

O Banco Central disponibiliza gratuitamente uma cartilha bem interessante para crianças, a cartilha ensina de forma simples qual a origem do dinheiro, você pode baixar gratuitamente a cartilha aqui: Cartilha sobre o dinheiro BCB

O DINHEIRO POR SI SÓ NÃO É BOM NEM MAU

Dinheiro não é bom nem mau

 

Se você já ouviu ou fala algo como: O dinheiro é o mal de todas as coisas; que dinheiro não é problema é solução; que ricos são mentirosos, corruptos, gananciosos; que dinheiro não traz felicidade etc.

Cuidado para não repetir isso para seus filhos.

Tudo isso são crenças a respeito do dinheiro que limitam as pessoas de crescerem financeiramente.

Essas informações ouvidas repetidamente formam bloqueios inconscientes que são convertidos em ações que prejudicam a vida financeira da criança no futuro.

Uma criança que cresceu ouvindo que os ricos são corruptos ou que são cruéis com os menos favorecidos, por exemplo, na sua vida adulta, muito provavelmente, mesmo que inconscientemente, fará de tudo para que o dinheiro não permaneça em suas mãos.

Porque em sua mente ela não quer se tornar corrupta ou cruel com os menos favorecidos.

É como se o cérebro dissesse:

“Não aproveite esta oportunidade, você pode ficar rico, ter muito dinheiro, e então você será corrupto, ganancioso, e uma pessoa má”

O dinheiro em si não é bom nem mau, depende do que você faz com ele.

Uma faca pode matar alguém ou cortar o alimento, a faca por si só não é boa nem má.

O dinheiro pode ser utilizado para financiar armas e tráfico de drogas, mas também pode ser utilizado para ajudar a manter entidades de assistência às pessoas.

Há ricos corruptos, há pobres também!

Há pobres infelizes, há ricos também!

Se o dinheiro é o mal de todas as coisas responda: Como os asilos são mantidos? Como as igrejas se mantêm? Como as fundações e instituições de caridade conseguem cuidar das pessoas?

Compreende como isso pode influenciar seus filhos no futuro?

Ensine isso aos seus filhos!

ENSINE SEU FILHO A SER AMBICIOSO

Ensine seu filho a ser ambicioso

 

Ambição não é ganância!

Ser ambicioso é uma qualidade e não um defeito, um pecado, uma falha de caráter.

Muitas pessoas confundem ambição com ganância, então usam a palavra ambição para desqualificar os sonhos e os desejos de alguém.

Ser ambicioso é bem diferente de ser ganancioso!

“O ambicioso quer chegar lá para se realizar e compartilhar, enquanto o ganancioso quer chegar primeiro para pegar a parte maior e não ter que repartir” – catequisar.com.br

A ambição é um forte desejo, um anseio de progredir, de alcançar um objetivo, de ter sucesso na vida…

Pessoas ambiciosas são aquelas que prosperam, são empreendedoras, são aquelas que tomam iniciativas, se arriscam, criam projetos e os colocam em prática.

Enfim…

São as pessoas ambiciosas que movem o mundo!

Ensine seus filhos a terem objetivos, ensine-os a buscarem o melhor que a vida pode oferecer e a não se contentarem com menos.

Deixe de lado as críticas e elogie sempre que eles apresentarem comportamentos ambiciosos e sonhos “impossíveis”.

JAMAIS FRUSTRE O SONHOS DOS SEUS FILHOS

Jamais frustre os sonhos dos seus filhos

 

Não temos dinheiro para isso!

Não podemos comprar isso!

Você não pode ter as duas coisas, escolha apenas uma!

Esqueça, você nunca vai ter algo assim!

Infelizmente as crianças são bombardeadas o tempo todo com frases de programação mental negativas.

Ao longo dos anos elas vão recebendo informações de várias fontes: pais, professores, líderes religiosos, propagandas, políticos etc.

Essas informações vão sendo armazenadas no cérebro da criança para que em momentos oportunos sejam utilizadas.

Veja que quando uma criança é “reprimida” e ouve com frequência: – Você nunca vai ter algo assim! – ela poderá criar uma crença limitadora de incapacidade.

A criança não possui defesas nem discernimento para argumentar a respeito de muitas coisas.

Assim ela tende a “gravar” como verdades absolutas o que veem, ouvem e presenciam, principalmente se isso vier dos próprios pais e carregado de uma forte emoção.

Essas informações, quando “gravadas” irão acompanhar a criança por toda vida, influenciando significativamente as atitudes, decisões e escolhas da criança, muitas vezes inconscientemente.

Por isso, devemos cuidar da programação que estamos passando para nossos filhos.

Isso também é educação financeira para crianças!

Por exemplo, a invés de utilizar frases que limitam, que impedem, que inferiorizam, busque frases que as façam pensar e buscar alternativas.

Ao invés de “Você não pode ter isso”, você pode dizer: “O que podemos fazer para ter isso? ”.

Ao invés de “Não temos dinheiro para isso”, você pode dizer: “Não planejamos comprar isso hoje! ”, ou “Não estamos aqui para comprar isso hoje”.

Ao invés de “Você não pode ter as duas coisas”, você pode dizer: “Escolha o que é mais importante para você neste momento”.

O TEMPO AO SEU FAVOR

O tempo a favor do enriquecimento

 

Enriquecer é uma ciência exata!

Para isso, basta seguir os princípios fundamentais do enriquecimento:

Gaste menos do que ganha, invista bem a diferença, tenha um plano e siga-o à risca com persistência.

Considerando esse princípio, a criação de riqueza tem um fator muito importante: O tempo.

Quanto mais cedo começarmos a construir nossa riqueza menos esforço será necessário.

Isso porque no processo de multiplicação de riqueza contamos com os juros compostos nos investimentos.

Os juros compostos, também chamados juros sobre juros possuem um grande poder no processo de criação de riqueza.

Pequenos valores investidos a longo prazo podem representar um futuro milionário.

Por exemplo: R$ 200,00 investidos mês a mês ao longo de 35 anos, a uma taxa de 1% ao mês resultará num valor de R$ 1.286.191,89.

Um valor significativo considerando um investimento de apenas R$ 200,00 não é mesmo?

Claro que dependendo da idade dos seus filhos eles não vão entender o que são juros compostos nem o que são investimentos.

O importante é ensiná-los o hábito de poupança desde cedo.

Quanto mais cedo eles começarem, menos esforços e dinheiro será necessário para garantir uma vida mais tranquila financeiramente no futuro.

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS: OS FILHOS COPIAM OS PAIS

Os filhos copiam os pais

 

Conta-se que na índia uma mãe procurou Mahatma Gandhi para lhe fazer um pedido: Que ele aconselhasse o filho dela a parar de comer doces porque o filho tinha diabetes e a doença se agravaria.

Após ouvir a mãe, Gandhi pediu que ela voltasse em quinze dias. Sem entender a mãe foi embora.

Na data marcada a mãe retornou e Gandhi pediu novamente que ela voltasse em quinze dias. Impaciente e irritada a mãe foi embora novamente.

Quando Gandhi decidiu receber o menino olhou bem nos olhos dele e disse: “filho pare de comer açúcar, pois isso irá matar você”.

Inconformada a mãe perguntou: Se era para dizer só isso, porque o senhor não disse logo na primeira vez que estive aqui?

Gandhi respondeu: “Porque até a semana passada, eu mesmo comia açúcar”.

Essa é uma lição que devemos lembrar toda vez que vamos ensinar algo aos filhos.

Não devemos ensinar aos filhos algo que não fazemos.

As crianças prestam mais atenção no que fazemos do que no que dizemos.

O cérebro das crianças possui neurônios espelhos (Neuron Mirror) mais ativos, o que faz com que elas copiem o que fazemos.

Portanto, aprenda e coloque em prática a educação financeira na sua vida.

Aprenda a cuidar melhor do seu dinheiro, a investir com sabedoria, e a controlar seus comportamentos quando o assunto é dinheiro.

Com certeza, agindo assim você estará replicando comportamento e conhecimento que irão contribuir significativamente para que seus filhos se tornem adultos mais bem preparados e conscientes financeiramente.

O que você faz para ensinar sobre dinheiro para seus filhos?

Compartilhe sua opinião e suas experiências deixando um comentário.

Gostou deste artigo?

Compartilhe com seus amigos e incentive-os a ensinar educação financeira para as crianças.

 

 

Você também pode gostar disso: